17 de junho de 2019

Sintomas da dengue! Você sabe o que fazer?

Procurar auxílio médico, redobrar o cuidado com a sua proteção, e alertar as pessoas que vivem com você e a vizinhança para fazerem o mesmo.


Por Redação Educadora Publicado 08/05/2019

São 3 as primeiras providências que um cidadão consciente deve tomar: procurar auxílio médico, redobrar o cuidado com a sua proteção, e alertar as pessoas que vivem com você e a vizinhança para fazerem o mesmo.

Procure auxílio médico

Embora os sintomas da dengue costumem passar após uma semana, ela pode deixar graves sequelas e matar.
Esteja atento aos principais sintomas da dengue:

– Febre alta, normalmente acima de 38.5ºC
– Dores musculares intensas
– Dor ao movimentar os olhos
– Mal estar
– Falta de apetite
– Dor de cabeça
– Manchas vermelhas no corpo

Se você apresenta algum destes sintomas, o primeiro passo é buscar auxílio médico o quanto antes. Isso é fundamental, pois o acompanhamento médico é a melhor forma de evitar que a dengue evolua para quadros mais severos, como dengue com sinais de alarme e dengue grave
Também é muito importante que você não tente se medicar sozinho, pois alguns medicamentos podem contribuir para o agravamento do quadro e dificultar a sua recuperação

Redobre o cuidado contigo e com os seus familiares

Primeiro, é preciso entender como acontece o contágio da dengue. Uma pessoa só pode ser infectada pelo vírus da dengue ao ser picada pelo mosquito Aedes aegypti. Quando alguém está infectado e é picado pelo mosquito da dengue, este mosquito, caso ainda não carregue o vírus, passa a transmitir a doença.

Portanto, se você suspeita estar com dengue, é fundamental se proteger e evitar ao máximo tomar novas picadas do mosquito, para que a doença não continue se espalhando. Vale lembrar que a maior parte das pessoas que tem dengue não manifesta sintomas clínicos, porém mesmo os quadros assintomáticos contribuem para a circulação da doença

Então, tanto faz se você suspeita ou foi diagnosticado, é necessário que você redobre a proteção contra as picadas do Aedes. Converse com seu médico sobre quais repelentes podem ser usados e utilize sempre que possível. Vale passar repelente sobre a pele e sobre as roupas, usar roupas compridas que cubram o corpo todo e, de preferência, de cores claras e largas.

O alerta geral deve ser rápido e (a)partir de você!

Pegar dengue não é motivo de vergonha. Arboviroses como Dengue, Zika e Chikungunya circulam no nosso país há anos e podem se espalhar rapidamente, causando danos à toda comunidade. Tenha a certeza de que todos à sua volta estarão muito incomodados com a notícia de que está doente, e não vão querer que a doença se espalhe. A sua doença dá a exata dimensão de que estão todos vulneráveis e de que nesta hora é preciso cooperação máxima.
É muito comum a doença se espalhar entre as pessoas de convívio mais próximo, seja em casa ou no trabalho. Esses devem ser os primeiros a serem avisados, para que sua família, colegas de trabalho e vizinhança também aumentem prontamente a vigilância contra o mosquito. Para essas pessoas de convívio mais próximo, a recomendação é a mesma: adotar o uso de repelentes e roupas claras e largas.
Reconhecer, eliminar e tratar criadouros são sempre necessários. Importante lembrar que em geral o Aedes nasce e morre mais ou menos no mesmo quarteirão. Repelentes elétricos e inseticidas aerossóis também devem ser considerados para proteger os ambientes.
É muito importante que essas medidas de alerta aos familiares e companheiros de trabalho se estendam às vizinhanças da moradia e do trabalho, para que todos aumentem a vigilância contra o mosquito. Se a mobilização acontecer rápido, a chance de sucesso no bloqueio da circulação dos vírus é muito maior.

É bom lembrar que um único mosquito infectado com o vírus pode transmitir a doença para muita gente ao longo de sua vida e que os ovos deste mosquito também poderão nascer infectados, aumentando exponencialmente a circulação da doença. Mesmo que o período de chuvas tenha passado, a vigilância deve ser mantida, pois os ovos do Aedes sobrevivem por mais de um ano sem água e pode ser que ao eclodirem, um novo surto se inicie. Intensificar o combate ao mosquito da dengue é dever de todos! Remover e proteger criadouros do acesso do mosquito é sempre a melhor opção.

E para aqueles reservatórios que não podemos eliminar, a melhor estratégia é contar com produtos que acabem com o problema definitivamente, como o DengueTech. Além de ser seguro para o meio ambiente e prático de usar, o DengueTech mata as larvas do mosquito em poucas horas e continua a proteger o criadouro por 60 dias. É a forma mais eficaz de se reduzir populações de Aedes, quando se compara à prática convencional de apenas se repelir ou espantar os mosquitos empurrando o problema para o vizinho. O Aedes volta.

Para saber mais, acesse: www.denguetech.com br