20 de novembro de 2019

Roteiro de Eduardo Bolsonaro em Washington tem jantar de US$ 1.000 e saída pelos fundos de restaurante

o jantar aconteceu após encontro de cerca de meia hora com o presidente Donald Trump


Por Redação Educadora Publicado 01/09/2019

Ainda estava claro na sexta-feira (30) quando Eduardo Bolsonaro pediu que suspendessem o jantar na residência da embaixada do Brasil em Washington.

Trocou o terno azulado por calça jeans e camiseta e se acomodou no banco do passageiro de um táxi que dividiu com o secretário-executivo da Casa Civil, Vicente Santini, e com o assessor especial da Presidência, Arthur Weintraub.

Passava das 19h, e o deputado e candidato a embaixador saía para jantar na capital americana após ter se reunido durante 30 minutos com Donald Trump.

Das cerca de 33 horas em que passou em Washington, a comitiva de Eduardo ficou duas na Casa Branca, em conversas com integrantes do Conselho de Segurança Nacional dos EUA e à espera do encontro com o presidente americano.

No resto do tempo, Eduardo, seus auxiliares e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fizeram passeios e almoçaram em uma sala reservada de um dos restaurantes à beira do canal que leva ao rio Potomac.

Na região portuária revitalizada de Wharf, pagaram cerca de US$ 1.000 (R$ 4.000) para uma mesa de sete pessoas no Del Mar, do chef italiano Fabio Trabocchi.

Passaram quase três horas no segundo andar do restaurante, onde pediram quatro porções de paella –três grandes e uma pequena–, que, segundo o cardápio, alimentariam de 14 a 21 pessoas.

Beberam sangria e preferiram sair pela porta da cozinha, nos fundos, para tentar despistar a imprensa.

Segundo um dos funcionários do local, Eduardo afirmou que era “filho do presidente do Brasil” para justificar o uso da saída alternativa, escondendo-se dos cinco jornalistas que o aguardavam.
Não foi uma novidade para o staff do Del Mar. Outras autoridades já utilizaram o mesmo expediente.

A reportagem enviou um pedido ao Itamaraty para esclarecer os custos e o pagamento dos gastos da viagem.

Por volta das 13h30 deste sábado (31), ao deixar a embaixada para o almoço com a comitiva, o deputado não respondeu aos repórteres sobre qual havia sido seu passeio pela manhã ou qual seria seu destino na parte da tarde, e chegou a tuitar que a imprensa o estava “seguindo” a caminho do almoço.

O único compromisso oficial no sábado era uma entrevista de Ernesto Araújo à CNN espanhola, ao meio-dia, da qual Eduardo não participou.

Às 18h05, a comitiva seguiu para a base aérea de Washington, de onde voou de volta ao Brasil.
Depois da reunião no Salão Oval, na sexta, Eduardo não fez nenhum anúncio –ao contrário do que havia dado a entender seu pai horas antes do encontro com Trump–, mas mostrou o que queria: seu acesso ao presidente americano pode estar à distância de um telefonema.

O presidente Bolsonaro havia ligado para Trump na semana passada em meio à crise internacional reverberada com as queimadas na Amazônia.
Pediu que o mandatário americano levasse a posição do Brasil à reunião do G7 e impedisse que o presidente francês, Emmanuel Macron, capitalizasse qualquer proposta de solução aos incêndios na floresta.

De quebra, começou a costurar a reunião ocorrida na sexta entre seu filho e Trump.

Organizou-se então um bate e volta –com escala em Manaus– do avião da FAB. Ao lado de Eduardo, embarcaram Ernesto, Santini, Weintraub, Filipe Martins, assessor para assuntos internacionais da Presidência, e dois assessores –todos à mesa do almoço deste sábado.

A ideia inicial era voltar no mesmo dia, mas acabaram por esticar a viagem.
O encontro matutino de sexta, com o polemista Olavo de Carvalho e sua mulher, Roxane, virou um almoço tardio, pós-Trump, e, depois, Eduardo e Araújo se dividiram.

Enquanto o deputado saía com Santini e Weintraub, o ministro e Martins seguiram para um dos pubs da rede Elephant & Castle, por volta das 20h30 de sexta.

Junto aos assessores, sentaram-se no meio do bar vazio.

No sábado (31), pediram que o café da manhã fosse servido às 9h30 para, depois, separarem-se novamente.

Eduardo foi passear na cidade, e Ernesto, comprar livros. Martins não saiu da residência. Disse que estava gripado.

Na frente da embaixada, o deputado federal chegou a descer do carro para tirar foto com dois brasileiros que o esperavam.

Um deles disse que era de Maceió e que apoiava sua indicação para se tornar embaixador do Brasil nos EUA.

O presidente Bolsonaro ainda não enviou oficialmente ao Senado a indicação do filho para o cargo porque teme não conseguir os votos favoráveis da maioria dos 81 senadores.

Vestindo uma camiseta com a estampa de uma caveira pintada com a bandeira americana, Eduardo respondeu ao fã: “Vai ficar longe da praia do Gunga, mas vai ser uma missão importante”.