30 de maio de 2020

Regina Duarte fala em ‘ambiente raivoso’ do setor cultural

Ex-secretária de Cultura, atriz usou sua conta oficial no Instagram para dizer que vai "lutar sempre por escapar do ambiente raivoso que acomete parte do setor (cultural)"


Por Estadão Conteúdo Publicado 20/05/2020
Foto: Isac Nóbrega/PR

A ex-secretária de Cultura Regina Duarte usou sua conta oficial no Instagram para dizer que vai “lutar sempre por escapar do ambiente raivoso que acomete parte do setor (cultural)”. Após semanas de um processo de “fritura” por parte do governo Jair Bolsonaro, Regina foi demitida nesta quarta-feira, 20, e anunciada como nova presidente da Cinemateca Brasileira, em São Paulo. Nenhum dos atos foi ainda oficializado

Segundo Regina Duarte, existe “um grupo que trabalha quotidianamente não para construir nada mas para separar os criadores de arte, impondo o atraso, impedindo a conexão de todos”. Ela não citou nomes ou apontou ações nesse sentido, porém.

“Regina relatou que sente falta de sua família, mas para que ela possa continuar contribuindo com o Governo e a Cultura Brasileira assumirá, em alguns dias, a Cinemateca em SP”, diz um post nas redes sociais do presidente Jair Bolsonaro desta quarta-feira, 20. Foi prometido ainda que “nos próximos dias, durante a transição, será mostrado o trabalho já realizado nos últimos 60 dias”.

Em uma entrevista dia 7 de maio para a rede CNN, Regina minimizou as torturas e mortes cometidas pelo Estado brasileiro durante a ditadura militar, e entoou ‘Pra Frente, Brasil’, de Miguel Gustavo, jingle conhecido como um hino da seleção brasileira de 1970, antes de encerrar sua participação de maneira abrupta.

Três dias depois, um grupo de artistas, intelectuais e produtores culturais – entre eles, Chico Buarque, Marco Nanini, Laís Bodanzky, Caetano Veloso, Denise Fraga, Luis Fernando Veríssimo, Emicida – emitiu uma carta em reação às declarações da então secretária. “Fazemos parte da maioria que não aceita os ataques reiterados à arte, à ciência e à imprensa, e que não admite a destruição do setor cultural ou qualquer ameaça à liberdade de expressão”, diz o texto.

No curto período em que ficou na Secretaria Especial da Cultura, Regina não apresentou nenhum plano ou projeto para o setor, e também foi cobrada por isso.

Nesta quarta-feira, Regina disse ainda que assumir a Cinemateca é um “sonho de qualquer pessoa de comunicação, audiovisual, cinema e teatro”. O cargo é subordinado ao que ela ocupava anteriormente.

Nos comentários da sua postagem, realizada por volta das 13h, seguidores criticaram a postura da ex-secretária. “Você destruiu sua carreira de 50 anos”, diz um deles. “Fritada em rede nacional”, diz outro. Alguns fãs também se manifestaram.