20 de agosto de 2019

‘Vamos apurar e cortar na própria carne’, diz ministro sobre músico morto no Rio

No último domingo, dia 7, dez militares dispararam mais de 80 tiros contra um veículo em Guadalupe, zona norte do Rio, que supostamente foi confundido com um automóvel em que estariam criminosos.


Por Estadão Conteúdo Publicado 10/04/2019
Divulgação/Agência Senado
O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, classificou como “lamentável e triste incidente” a ação de militares no Rio de Janeiro que resultou em 80 disparos contra um veículo onde estava uma família. “Lamentável incidente. Foi um incidente, vamos apurar e cortar na própria carne”, disse o ministro durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados.

No último domingo, dia 7, dez militares dispararam mais de 80 tiros contra um veículo em Guadalupe, zona norte do Rio, que supostamente foi confundido com um automóvel em que estariam criminosos. No carro alvejado estavam o músico Evaldo Rosa dos Santos, de 46 anos, e sua família.

O músico morreu no local e duas pessoas ficaram feridas. Rosa foi sepultado nesta quarta-feira, 10, no Rio, em clima de forte comoção. Familiares e amigos pediram justiça durante a cerimônia de sepultamento.

De acordo com o ministro, os militares foram ouvidos pela Polícia Civil e foi constatado que as “normas de engajamento” não foram seguidas e, por isso, eles foram presos. “Lamentável, triste, mas fato isolado em relação às ações (em) que os miliares atuam”, avaliou o ministro.