19 de outubro de 2019

Polícia prende cinco por pornografia infantil na capital paulista

Prisões ocorreram em cumprimento a oito mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça


Por Folhapress Publicado 14/08/2019
Foto: Divulgação/ Polícia Civil

Cinco homens foram presos nesta terça-feira (13) em quatro regiões da capital paulista acusados de armazenar pornografia infantil em computadores. As prisões ocorreram em cumprimento a oito mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça. A idade e identidade deles não foram informadas.

Segundo o delegado Luís Renato Mendonça Davini, policiais investigam “ininterruptamente” a ação de pedófilos na internet. “São identificadas pessoas que frequentemente buscam material [de pornografia infantil] e, a partir disso, as monitoramos”, explicou.

O titular da 1ª Delegacia do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa) acrescentou que os acusados mantinham em seus computadores entre 4 gigas e 10 gigas de memória, com vídeos e fotos em que crianças e adolescentes são abusadas sexualmente.

“O perfil dos cinco presos é bem diferente. Eles contam com idades entre 40 e 55 anos e com condições socioeconômicas bem distintas. Este tipo de pessoa [pedófilo] pode estar mais perto do que imaginamos”, alertou, explicando ainda que não poderia dar mais detalhes sobre os presos, por conta da investigação.

Davini acrescentou que as investigações continuam por tempo indeterminado. “A Polícia Civil está atenta e vai acompanhar sempre este tipo de crime, para que o possamos reprimir e não permitir que isso perpetue”, afirmou.

Segundo a polícia, as prisões ocorreram na casa dos acusados na região central, além das zonas norte, leste e oeste da capital paulista. Esta é a segunda fase a operação, batizada de Basta de Pedofilia.

GRANDE SÃO PAULO
Em 26 de junho deste ano, oito pessoas foram presas acusadas pornografia infantil em Guarulhos e Mairiporã, ambas na Grande SP, na primeira fase da operação Basta de Pedofilia. Na ocasião foram cumpridos dez mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça.

Das oito prisões, segundo a polícia, seis foram por armazenamento de material pornográfico, com crianças e adolescentes, e dois por compartilhar o material.