21 de outubro de 2019

Oito policiais são presos acusados de sequestrar e extorquir empresário

Cinco policiais civis e três militares são acusados de sequestrar e extorquir R$ 1 milhão de um empresário da capital paulista


Por Folhapress Publicado 10/10/2019

Cinco policiais civis e três militares foram presos preventivamente nesta terça-feira (8) acusados de sequestrar e extorquir R$ 1 milhão de um empresário, em julho deste ano. Além dos policiais, mais quatro suspeitos, incluindo um empresário, também foram presos.

Segundo a Corregedoria da Polícia Civil, o empresário foi chamado para uma reunião de negócios em 11 de julho, em um escritório na alameda Jaú, região dos Jardins (zona oeste da capital paulista). Ao chegar no local, em seu carro, foi surpreendido por uma blitz policial. Ele foi algemado e colocado dentro de uma viatura com identificações da Polícia Civil. Em seguida, acabou levado ao 73º DP (Jaçanã), na zona norte, conforme a Corregedoria.

Dentro do distrito policial, de acordo com o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), policiais teriam afirmado que o empresário era um golpista e que os “clientes dos investigadores estariam insatisfeitos”. “Um dos policiais disse [ao empresário retido na delegacia] que um cliente os havia contratado para aquele serviço. [A vítima], então, falou com [outro empresário por telefone] e disse que era melhor aceitar um acordo, pois não aguentaria um processo e que ‘os árabes eram muito fortes'”, diz trecho de documento assinado pela juíza Tatiana Saes Valverde Ormeleze.

Ainda segundo a Justiça, os policiais teriam exigido R$ 2 milhões para deixar o empresário em paz. Após as ameaças, já na madrugada do dia seguinte, a vítima pediu dinheiro ao sócio, que encaminhou dois seguranças para levar R$ 450 mil para investigadores na região central da capital. Após o pagamento, o empresário foi liberado para sair do 73º DP. Na mesma noite, ele encaminhou mais R$ 550 mil à delegacia, também de acordo com a Justiça.

O empresário disse à polícia que passaram-se dois dias, quando foi novamente abordado por um homem armado, durante um passeio com familiares em um shopping de Santos (72 km de SP). O suspeito entregou um envelope à vítima, ameaçando divulgar informações pessoais e profissionais do empresário, que fotografou o criminoso usando o celular. Por conta disso, o suspeito saiu do local.

Segundo a denúncia contra os acusados, o empresário acionou dois conhecidos da polícia, que o ajudaram a identificar dois envolvidos no caso. Uma reunião teria sido feita com investigadores do 73º DP, onde foi sugerido que eles devolvessem o dinheiro extorquido e que ajudassem testemunhando contra o empresário acusado de contratar o sequestro da vítima. Os policiais, porém, negaram a oferta.

Por fim, a vítima procurou a Corregedoria da Polícia Civil e formalizou a denúncia.

RESPOSTA
A SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB), afirmou que os oito policiais envolvidos no caso estão presos preventivamente e que vão responder pelos seus atos “nos termos da lei”. “A SSP não compactua com desvios de conduta de seus agentes e defende a investigação rigorosa de todas as denúncias”, diz trecho de nota.

A pasta acrescentou que um empresário também está detido preventivamente e que outro teve a prisão decretada pela Justiça nesta terça-feira (8).