14 de dezembro de 2019

Mulheres denunciam pastor por tentativa de estupro e de assassinato

Ele teria tentado abusar de uma delas e matar a outra que defendeu a primeira vítima


Por Redação Educadora Publicado 30/07/2019

Um suposto pastor evangélico foi denunciado por duas mulheres nesta terça-feira (30) por estupro e tentativa de assassinato. Ele teria tentado abusar sexualmente de uma delas e tentado matar a outra, que queria defender a colega.

Os dois crimes teriam acontecido dentro do Lar Cristão Feminino, uma casa de recuperação para dependentes químicas situada no Bairro CPA III, em Cuiabá, e coordenada pelo suposto pastor evangélico.

Em entrevista ao programa Cadeia Neles, da TV Vila Real, as duas vítimas contaram os momentos de terror que viveram.

A primeira contou que já está no lar há dois meses e, há algum tempo, vinha sendo assediada pelo pastor, inclusive tendo encontros dentro da casa com ele. A mulher afirmou que o homem até já teria tentado tirá-la da casa, mas ela se negou a sair.

Na noite dessa segunda-feira (29) os assédios teriam tomado uma proporção maior. Segundo a vítima, o pastor a chamou para entrar na casa e, achando estranho, ela pediu para uma colega, que estava lendo a Bíblia, não deixá-la sozinha.

“Ela me acompanhou e ele a mandou se retirar, ‘cadiou’ a porta e me beijou. Eu correspondi o beijo e ele tentou tirar minha saia. Aí eu falei que não e a menina escutou”, relatou a jovem.

O abuso só não teria sido concretizado porque, ainda segundo o relato da vítima, a colega bateu na porta, preocupada.

Ela disse não ter sido a primeira vítima dele, que usaria o cargo de confiança de coordenador da casa de recuperação para assediar jovens internadas. A mulher dele também trabalha na casa, mas a vítima não soube dizer se ela saberia dos assédios e abusos.

Tentativa de homicídio

A segunda vítima, que foi agredida e quase assassinada, sofreu a violência por ter defendido a colega. Conforme o relato dela para o programa Cadeia Neles, o pastor e a esposa a tiraram do culto e o homem teria feito várias ameaças, em uma sala separada.

“Ele me chamou de lixo, entulho, vagabunda, que eu não ia estragar a reputação deles. Que eu não tinha provas sobre o que teria ocorrido no dia anterior. Ele voou na minha garganta, me arrastou pelos cabelos uns dois metros e começou a me ameaçar”, contou a mulher, aos prantos.

A esposa dele teria, segundo a vítima, conseguido tirá-lo da sala, mas ele logo retornou com uma faca e foi para cima da vítima novamente, fazendo movimento em direção ao peito dela e sendo impedido pela esposa, que teria se jogado na frente e dito para a vítima se abaixar para não ser atingida.

No momento da entrevista, a jovem estava com o pescoço marcado por supostamente ter sido enforcada pelo suspeito. Ela reclamou ainda de dores na cabeça por ter sido arrastada pelos cabelos.

“Ele falou ‘eu vou te matar, eu vou te procurar, nem que seja no quinto dos infernos. Eu vou acabar com a sua vida, desgraçada’”, afirmou a mulher, em meio a muitas lágrimas.

Ela ainda lamentou que isso tenha acontecido dentro de uma casa de recuperação. “Meus filhos me internaram lá para eu me recuperar, mas não encontrei isso lá não”, disse.

À solta

A Polícia Militar foi até a casa de recuperação, mas nem o pastor, nem a esposa e nem a faca que teria sido utilizada na ameaça foram encontrados.

Funcionários do Lar Cristão Feminino não passaram qualquer informação sobre o paradeiro do suposto pastor. No local, cerca de 10 mulheres estariam em tratamento.

O homem, segundo o programa Cadeia Neles, passa-se por pastor da Igreja Assembleia de Deus. Porém, a igreja negou o cargo e afirmou que ele seria apenas um frequentador.

As duas mulheres conseguiram sair da casa com a ajuda da Polícia Militar, mas procuram outro lugar para continuar o tratamento, já que a casa não era filantrópica e elas já haviam pagado cerca de R$ 1 mil pela internação.

O caso, registrado a princípio como estupro, ameaça e tentativa de homicídio, será investigado pela Polícia Judiciária Civil.

 

Por: Cadeia Neles e O Livre