10 de dezembro de 2019

Denunciado padrasto que espancou e matou enteado de 2 anos

De acordo com informações do MP, o padrasto matou o enteado por meio cruel, ao desferir um chute na cabeça do menino


Por Redação Educadora Publicado 03/12/2019
Padrasto de 18 anos espanca criança de 2 anos e vai preso (Foto: Juína News/Divulgação)
Padrasto de 18 anos espanca criança de 2 anos e vai preso (Foto: Juína News/Divulgação)

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso denunciou Igor Campos de Almeida, de 18 anos, por homicídio qualificado do enteado Júnior Ribeiro Ferreira, de apenas dois anos.

Conforme o promotor de Justiça Dannilo Preti Vieira, Igor matou o enteado por meio cruel, ao desferir um chute na cabeça do menino.

“O denunciado é padrasto da vítima e prevaleceu-se das relações domésticas para assassiná-la, oportunidade em que desferiu um chute na cabeça da vítima, o que ocasionou um traumatismo craniano, sendo suficiente para a morte da criança, que se deu em 1º/12/2019, no Pronto Socorro Municipal de Cuiabá-MT”, consta na denúncia.

Igor foi denunciado por homicídio qualificado por emprego de meio cruel com agravantes por ser cometido contra menor de 14 anos e aproveitando-se das relações domésticas mantidas com a vítima.

Atualmente ele está recluso no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Juína (735 km de Cuiabá).

“Queda acidental”

O espancamento e a consequente morte do menino de dois anos chocou a população do município de Juína.

A criança foi agredida no dia 17 de novembro e levada pela mãe, em estado grave, a uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da cidade. Lá, permaneceu em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por três dias até ser transferida para uma UTI pediátrica em Cuiabá.

Inicialmente, o padrasto e a mãe alegaram que os hematomas no corpo da criança foram causados por uma queda acidental.

Contudo, exame de corpo de delito apontou a agressão física. Igor foi preso no dia 22 de novembro, suspeito de espancar a criança, e confessou à Polícia Civil ter agredido o enteado sem motivo.

Júnior Ribeiro Ferreira faleceu no dia 1º de dezembro, após ficar internado por 14 dias.

(Com assessoria)