12 de novembro de 2019

Protestos violentos no Chile deixam 7 mortos

País amanheceu com praticamente todo o comércio fechado, vários voos cancelados no aeroporto e ruas vazias


Por Estadão Conteúdo Publicado 21/10/2019
Foto: Reprodução

Confrontos violentos entre a polícia do Chile e manifestantes ocorreram neste domingo, 20, em vários pontos de Santiago, mesmo após o presidente Sebastián Piñera suspender no sábado (19) o aumento do preço das passagens do metrô, questão que havia desencadeado os protestos. Autoridades decretaram toque de recolher pelo segundo dia, em meio ao “estado de emergência”. Até a publicação desta matéria, sete pessoas morreram, segundo o Ministério do Interior, e 1.462 foram detidas nas manifestações, as mais violentas desde o retorno da democracia após o fim da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Um novo “panelaço” de manifestantes realizado no domingo se transformou novamente em confrontos com as forças especiais da polícia e militares, que repeliram os ataques com bombas de gás lacrimogêneo e jatos d’água. “Nós estamos preocupados com a situação. Eu e minha mulher estamos como turistas aqui em Santiago e vimos as imagens na TV. Ficamos apreensivos com a segurança. Estamos tendo problema com alimentação”, disse o brasileiro José Ailson Baltazar, de 59 anos.

O país amanheceu com praticamente todo o comércio fechado, vários voos cancelados no aeroporto e ruas vazias, após os protestos iniciados na sexta-feira em razão do aumento do preço das passagens do metrô. O centro de Santiago virou um cenário de destruição: semáforos no chão, ônibus queimados, lojas saqueadas e destroços nas ruas. A Associação de Bancos Chilenos informou que 130 agências foram danificadas em todo o país, 30 estão fora de serviço. A rede de supermercados Walmart informou que vai manter todas as lojas em Santiago fechadas, pois 125 supermercados foram saqueados. A população tem tentado se abastecer como pode, já que somente os mercados menores estão funcionando durante parte do dia.

Em alguns bairros de Santiago, os moradores se organizam para proteger suas casas dos saques, que já não são mais somente em supermercados, farmácias e lojas. A brasileira Fernanda Camargo, de 39 anos, mora na capital e classifica a situação como inédita “Moro no Chile há 16 anos, nunca tinha visto uma manifestação durar tanto tempo e ter muita violência. Estamos com medo de sair na rua. No meu condomínio, os vizinhos estão unidos resguardando a entrada. Há muita delinquência tirando proveito da situação, saqueando lojas e entrando nas casas para roubar”, disse Fernanda. “Acredito que são legítimas as manifestações, não apoio a violência, porém o povo está cansado de tanta desigualdade, salários baixos. O custo de viver aqui no Chile é alto! Para ter saúde e educação de qualidade, tem de pagar. Está tudo privatizado.”

Apesar da decretação do toque de recolher e da mobilização de quase 10 mil militares nas ruas, os distúrbios prosseguiram durante a madrugada de domingo em Santiago e outras cidades, como Valparaíso e Concepción, que também foram afetadas pela medida que restringe a movimentação. O balanço oficial do governo informou que já são mais de 60 policiais feridos nos dias de violentos protestos. “Acredito que em uma semana as coisas estejam resolvidas. Porém, o reflexo disso tudo ainda estará presente”, afirmou Magda Rosa de Oliveira, de 30 anos.

As vítimas morreram queimadas em supermercados ou lojas que foram saqueadas e pegaram fogo. Não se sabe se os incêndios foram propositais.

O ministro do Interior e Segurança, Andrés Chadwick, informou que durante a madrugada duas pessoas foram feridas a tiros após incidente com uma patrulha policial entre Puente Alto e La Pintana. Manifestantes também atacaram ônibus e estações do metrô. De acordo com o governo, 78 estações foram atingidas e algumas ficaram completamente destruídas.

O prejuízo ao metrô de Santiago supera US$ 300 milhões e algumas estações e linhas vão demorar meses para voltar a funcionar, afirmou o presidente da companhia estatal, Louis de Grange. Com quase 3 milhões de passageiros por dia, o metrô sofreu uma “destruição brutal”, disse.

Pressão social

Aos gritos de “basta de abusos” e com o lema que dominou as redes sociais “#ChileAcordou”, o país enfrenta críticas a um modelo econômico em que o acesso à saúde e à educação é praticamente privado, com elevada desigualdade social, valores de pensões reduzidos e alta do preço dos serviços básicos. A venezuelana Ana Villarroel, de 27 anos, teme por sua segurança, mas considera os protestos legítimos. “Nós imigrantes viemos com nossas famílias ao Chile apostando em uma boa qualidade de vida. Os protestos são legítimos, mas o vandalismo não”, disse.

As manifestações não têm um líder definido ou uma lista precisa de demandas. Até o momento, aparece como uma crítica generalizada a um sistema econômico neoliberal que, por trás do êxito aparente dos índices macroeconômicos, esconde um profundo descontentamento social.

A Câmara dos Deputados do Chile aprovou no domingo um projeto de lei para anular o aumento do preço da tarifa de metrô de Santiago, que o presidente Sebastián Piñera suspendeu no sábado depois do início da violência. A iniciativa legal foi aprovada por 103 votos a favor, 1 contra e 1 abstenção, e será vista pelo Senado nesta segunda para sua total ratificação.

Milhares de pessoas ficaram neste domingo presas no aeroporto de Santiago, depois que as companhias aéreas anunciaram atrasos e cancelamentos dos voos. Até o início da noite de domingo, havia 95 voos cancelados e 20 reprogramados. A GRU Airport, concessionária responsável pelo Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, informou que foi alterada a programação dos voos para chegar ou partir para Santiago e cerca de 990 passageiros podem ter sido prejudicados por conta de cancelamento ou atraso de seis voos previstos para chegarem ou saírem do GRU Airport. A LATAM Airlines cancelou seus voos com origem no aeroporto de Santiago entre as 19 horas de domingo e as 10 horas de hoje, com exceção dos voos LA530, LA704 e LA2364. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.