11 de dezembro de 2019

Mourão adota abordagem pragmática em visita de cinco dias à China

Ele se encontrou com o presidente chinês Xi Kinping, em Pequim


Por Folhapress Publicado 26/05/2019
Marcelo Camargo/Agência Brasil

O vice-presidente Hamilton Mourão encerrou na sexta-feira (24) sua visita oficial à China após encontro com o presidente chinês Xi Kinping, em Pequim.
A Mourão, o líder chinês afirmou que os dois países devem considerar um ao outro como uma oportunidade para o desenvolvimento e como parceiros. Xi recebeu Mourão no Grande Salão do Povo e disse que o relacionamento entre os dois países está em um “momento crucial”.
“Os dois lados devem continuar discutindo com firmeza as oportunidades e os parceiros um do outro para o seu próprio desenvolvimento, respeitando-se, confiando um no outro, apoiando-se mutuamente e construindo as relações China-Brasil como modelo de solidariedade e cooperação entre os países em desenvolvimento”, afirmou.
Ao contrário de Bolsonaro, que criticou o papel da China na economia brasileira durante a campanha presidencial, Mourão tem escolhido uma abordagem mais pragmática em relação ao principal parceiro comercial do Brasil.
O vice-presidente chegou ao país asiático na última segunda-feira (20), e afirmou que o Brasil estuda uma eventual adesão à Nova Rota da Seda, iniciativa bilionária do governo Xi Jinping para interligar portos, ferrovias, estradas, aeroportos e telecomunicações com o objetivo de agilizar comércio chinês com o resto do mundo.
Mourão disse que projetos chineses ligados à iniciativa poderão ser realizados no Brasil por meio do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos).
Na terça (21), em entrevista a uma rede de TV estatal chinesa, o general disse que o Brasil deve “agregar valor” no que é exportado à China.
“O Brasil não pode ser só uma loja que a China vai e compra itens. Tem que ser mais do que isso. As coisas que vêm do Brasil têm que ter o mesmo valor que as que vêm da China. Estamos na era do conhecimento. A economia do século 21 é a economia do conhecimento, esse é o passo adiante que temos que dar nessa relação.”
Ele também disse que o governo brasileiro vê com bons olhos a Huawei, fabricante chinesa de eletrônicos acusada de espionagem pelos Estados Unidos. “A Huawei está estabelecida no Brasil e vai fazer mais investimentos. Na semana passada, recebi representantes em meu gabinete em Brasília e eles me apresentaram planos de expansão no país”, disse.
Na quarta-feira, o vice-presidente visitou a Muralha da China. Durante a estadia no país, conheceu ainda as instalações e locais de testes da Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST).
Neste ano o Brasil será o anfitrião da cúpula do Brics, bloco constituído por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, à qual Xi deve comparecer.