26 de junho de 2019

Cachorro com câncer consegue pagar quimioterapia ao vender bolos

O tratamento do cãozinho Deko foi pago com o dinheiro arrecadado com a venda de bolos caseiros


Por Redação Educadora Publicado 22/04/2019

Quem tem animais de estimação sabe bem – ou devia saber – que estes obrigam a diversas responsabilidades, não só com a alimentação, cuidados de higiene, passeios frequentes, atenção e carinho – claro! -, mas também com a sua saúde, devendo sempre estar atentos a quaisquer problemas que possam surgir.

Infelizmente, tal como acontece com a saúde humana, a maioria dos tratamentos de doenças não saem nada baratos, e por isso algumas pessoas acabam por recorrer a outros meios para conseguirem angariar o dinheiro suficiente para pagar os mesmos, sendo as redes sociais uma excelente forma de o fazer.

Foi precisamente isso que a mexicana Vanessa Euán fez ao saber que o cachorro que a sua irmã havia adoptado recentemente, Deko, tinha sido diagnosticado com tumor venéreo canino transmissível, uma doença exclusiva dos cachorros que, felizmente, tem cura através de tratamentos de quimioterapia. Contudo, as diversas sessões de quimioterapia necessárias são bastante dispendiosas, e apesar da irmã ter conseguido pagar a primeira sessão com o seu pouco dinheiro, faltava dinheiro para pagar as restantes.

Desta forma, Vanessa e a sua irmã decidiram vender bolos caseiros a fim de angariar o dinheiro que faltava e, claro, o Facebook ajudou a atingir o objectivo pretendido quando Vanessa publicou uma foto do cachorro com um cartaz a dizer “Vendo bolos para pagar as minhas quimioterapias”, explicando a situação do mesmo e a pedir ajuda aos internautas.

Rapidamente a publicação viralizou e em menos de 24 horas, o pequeno cachorro havia conseguido ganhar o dinheiro que faltava para pagar o restante do seu tratamento, tendo Vanessa publicado uma nota de agradecimento na sua página do Facebook, a todas as pessoas que contribuíram para o tratamento de Deko.

Felizmente ainda existem pessoas de bom coração que não conseguem ficar indiferentes a estas situações.

Fonte: UPSOCL