30 de maio de 2020

Uso de máscaras passa a ser obrigatório dentro de estabelecimentos em Limeira

Comerciantes, que não precisarão fornecê-las, deverão exigir uso por parte dos clientes e funcionários


Por Danilo Janine Publicado 23/04/2020 Atualizado em 26/04/2020 às 02:32

O uso de máscaras passará a ser obrigatório em Limeira a partir da próxima terça-feira (28). Um decreto determinando o uso dos objetos de proteção será publicado na edição desta sexta-feira (24) do JOM (Jornal Oficial do Município).

Segundo o decreto, as máscaras poderão ser descartáveis ou domésticas (de tecido) e o uso será obrigatório a todos os clientes que forem entrar nestes estabelecimentos. Funcionários também serão obrigados a usá-las. “O uso de qualquer tipo de máscara, mesmo as feitas em domicílio, associado à correta higienização das mãos, ao uso de álcool gel e ao distanciamento social, entre outras medidas, aumentam significativamente a proteção da população em geral contra a covid-19, servindo como barreira parcial para a transmissão do vírus e bloqueando a disseminação pelo contato com gotículas respiratórias infectadas”, cita parte do decreto.

Conforme apurou a Educadora, os comerciantes não serão obrigados a fornecer as máscaras aos clientes.

Todas as máscaras deverão seguir orientações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e do Ministério da Saúde em relação à confecção, uso e higienização, informa nota enviada pela Prefeitura.

O decreto municipal ainda define regras para os serviços essenciais que têm funcionamento permitido durante a quarentena. Bancos, supermercados e casas lotéricas, por exemplo, deverão demarcar o solo nas filas para que as pessoas mantenham uma distância mínima de 1,5 metro entre elas. Os estabelecimentos terão que limitar o número de clientes em atendimento, evitando aglomerações, além de limitar o uso do espaço. A recomendação é de uma pessoa para cada 5 (m²) metros quadrados.

O decreto vigorará enquanto durar a situação de calamidade pública.

A nota da Prefeitura lembra ainda que desde o mês passado, o país reconheceu o estado de calamidade pública e que o mesmo acontece em Limeira, que além do cumprimento da quarentena, que foi prorrogada pelo Estado até o dia 10 de maio, também levou o município a editar seus próprios decretos.