20 de novembro de 2019

Procurado pela Interpol, limeirense é preso pela Polícia Federal

Suspeito era foragido da Operação Flak, da Polícia Federal (PF) em Tocantins, que investiga uma quadrilha que usava aeronaves e um submarino no tráfico internacional de cocaína


Por Redação Educadora Publicado 12/07/2019
Mulher de suspeito postou localização no Instagram, o que ajudou o trabalho da polícia

R.R. é um limeirense que foi preso nesta semana em São Paulo após a mulher dele postar nas redes sociais a localização do restaurante que estava. Ele era foragido da Operação Flak, da Polícia Federal (PF) em Tocantins, que investiga uma quadrilha que usava aeronaves e um submarino no tráfico internacional de cocaína.

As informações sobre como ocorreu a prisão são do Portal G1. A Educadora confirmou que se trata do limeirense que há muitos anos já foi alvo de diversas investigações por adulteração de combustíveis na cidade. Ele também é sócio de transportadora.

R.R. era procurado pela Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) e apontado como responsável por lavar dinheiro de uma organização que fazia tráfico de drogas.

De acordo com o G1, a Justiça Federal do Tocantins ordenou, em março, a inclusão dos nomes de 11 foragidos da Operação Flak, da Polícia Federal, na lista da Interpol após os suspeitos não serem localizados, e R. era um dos nomes.

Ao G1, a defesa de R. disse que entraria com habeas corpus para pedir a liberdade de seu cliente.

R. também foi citado nas operações Dona Bárbara (SP) e Veraneio (MT). Em todas era citado como responsável pela aquisição e preparação das aeronaves para o transporte de cocaína, além de lavar o dinheiro. A relação do limeirense com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e os cartéis mexicanos de Sinaloa e Los Zetas é mencionada no relatório final da Operação Dona Bárbara.

A Polícia Federal acredita, conforme o G1, que a quadrilha atua há pelo menos 20 anos. Os primeiros indícios de atividade são de novembro de 1999.