12 de julho de 2020

Centenas de covas são abertas em SP à espera dos mortos pela Covid-19

Na manhã desta quarta-feira (01), coveiros que trabalham no local utilizaram roupas especias para evitarem a contaminação em sepultamentos com suspeita de coronavírus


Por Folhapress Publicado 02/04/2020
Foto: Paulo Guereta/Photo Premium/Folhapress

Sepultamentos no cemitério da Vila Formosa, zona leste da capital paulista, aumentaram desde o início da pandemia do coronavírus. Várias covas estão sendo abertas no local, à espera de mais mortos, conforme previsões feitas por especialistas na área da saúde.

Uma foto aérea do cemitério, que é o maior da América Latina, foi estampada na capa do jornal americano Washington Post, um dos mais importantes do mundo.

Na manhã desta quarta-feira (01), coveiros que trabalham no local utilizaram roupas especias para evitarem a contaminação em sepultamentos com suspeita de coronavírus. 

Os cemitérios públicos da cidade de São Paulo estão recebendo diariamente de 30 a 40 corpos de pessoas que morreram com suspeita de estarem contaminadas pelo novo vírus, mas sem que a condição fosse avalizada pelo teste laboratorial.


Por causa do atraso do Instituto Adolfo Lutz em disponibilizar os resultados dos testes de comprovação da doença, a imensa maioria desses mortos não aparece na contabilização feita pelo Ministério da Saúde como óbitos decorrentes da Covid-19.