03 de julho de 2020

Casos de coronavírus em Limeira sobem 600% em junho, diz Prefeitura

Cidade tinha 221 confirmações dia 1º, contra 1.547 registros positivos nesta terça-feira (30)


Por Redação Educadora Publicado 30/06/2020

Os casos de coronavírus em Limeira avançaram 600% no mês de junho, comparando os números do dia 1º, segundo informou a Prefeitura. Na ocasião, a cidade tinha 221 confirmações, contra 1.547 registros positivos nesta terça-feira (30). Levando em consideração os casos acumulados em junho (1.331) em comparação a maio (176), a alta é ainda maior: cerca de 656% – ou seja, quase oito vezes mais casos do que o mês anterior.

Outro dado importante é que no dia 15 de junho, Limeira tinha 547 pessoas confirmadas com a doença, ou seja, foram 1 mil casos confirmados em 15 dias – uma evolução de cerca de 183%. Na mesma linha, as notificações também apresentaram alta, de cerca de 154%, na última quinzena de junho, enquanto os descartes subiram 127%.

A estimativa da Secretaria da Saúde é que esse momento pode ser o do pico da doença na cidade, que pode se estender durante todo mês de julho.

MORTES

As mortes em decorrência da covid-19 em Limeira também tiveram aumento expressivo durante o mês de junho: no dia 1º, o município contabilizava 11 óbitos, enquanto nesta terça (30), são 68 – um aumento de 518%. Somente neste mês foram registrados 58 óbitos – até maio eram 10 mortes.

Na comparação de 30 de maio com 30 de junho, o aumento é ainda mais significativo: 750%, uma vez que há um mês eram apenas oito óbitos confirmados por coronavírus.

A taxa de letalidade da doença em Limeira é de 4,4%, entre os casos confirmados. Conforme explicou o diretor de Vigilância em Saúde, Alexandre Ferrari, durante coletiva online nesta terça, esse número é próximo do índice do Estado de São Paulo (5,2%) e superior ao percentual do Brasil (4,3%).

INTERNAÇÕES

Ainda segundo Ferrari, até 15 de junho, a taxa de ocupação de leitos de UTI na Unidade de Referência de Combate ao Coronavírus (URC) girava em torno de 60% a 70%. Depois dessa data, esse índice passou a ser superior a 80%. Em 1º de junho, por exemplo, eram oito pessoas internadas em UTI. Nesta terça, são 18. “Neste momento, temos que redobrar as medidas de distanciamento social e higiene pessoal, além do uso de máscaras. São mecanismos importantes no enfrentamento da pandemia”, alertou o diretor de Vigilância em Saúde.