19 de janeiro de 2020

Caio Bortolan da Educadora fala sobre suposta ‘indústria da multa’, em Limeira

Apresentador do Educadora Meio Dia participou do Programa Bastidores do Poder, da Rádio Bandeirantes, nesta terça (14)


Por Redação Educadora Publicado 14/01/2020

O apresentador do Educadora Meio Dia, Caio Bortolan, participou do programa Bastidores do Poder, da Rádio Bandeirantes nesta terça-feira (14). Assista a íntegra da participação:

ENTENDA O CASO

A Educadora ouviu na manhã desta terça-feira (14) o jornalista Agostinho Teixeira, da Rádio Bandeirantes, autor da reportagem sobre a “indústria da multa” em prefeituras paulistas. Limeira é citada na matéria.

Segundo o jornalista, empresas que atuam em Limeira seriam do mesmo grupo.

Conforme a Educadora já mostrou, o prefeito de Limeira, Mario Botion (PSD), anunciou que vai romper três contratos em andamento com a Prefeitura que envolvem o trânsito: semaforização e sinalização de trânsito, processamento de multas e operação de radar e gestão de multas.

As empresas são a Cobrasin e a Sentran.

 

RESCISÃO

Nesta terça-feira (14), o prefeito Mario Botion (PSD) anunciou que os três contratos serão rescindidos.

MULTAS CONTINUAM VALENDO

Apesar do anúncio, Botion afirmou que as multas aplicadas anteriormente por meio da fiscalização de radares não serão canceladas. Isso porque, segundo o prefeito, os equipamentos foram todos aferidos pelo Inmetro e não apresentam nenhuma irregularidade técnica.

Limeira conta com radares fixos em 42 pontos, incluindo 98 faixas de fiscalização de velocidade.

“MALDOSA E INFUNDADA”

O Secretário de Mobilidade Urbana, Rodrigo Oliveira, afirmou nesta terça-feira (14), em entrevista à Educadora, que a denúncia sobre uma suposta “indústria da multa” em Limeira é maldosa e infundada. A afirmação ocorreu após coletiva de imprensa no Edifício Prada.

CONTRATO EMERGENCIAL

Para evitar que Limeira sofra um colapso nos serviços semafóricos, um contrato emergencial será firmado pela Prefeitura de Limeira com uma nova empresa, que terá validade de 180 dias, até que a administração pública abra licitação para a contratação definitiva de uma nova empresa.