09 de dezembro de 2019

Alta na contratação de temporários indica novo fôlego do varejo, diz ACSP

As vendas de final de ano devem trazer uma expansão de 13,8% no trabalho temporário. Para ACSP, expectativa de melhora na economia cria clima de otimismo entre os empresários


Por Estadão Conteúdo Publicado 25/10/2019
Divulgação

A Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) prevê a abertura de 570 mil vagas no final deste ano em todo o país – uma expansão de 13,8% em relação ao mesmo período do ano passado (entre setembro e dezembro), quando foram disponibilizados 500 mil postos de trabalho.

Cerca de 366 mil vagas estarão em São Paulo, o estado brasileiro com maior participação na geração de vagas de trabalho temporário. O número equivale à população de Franca, no interior, ou São Vicente, no litoral, ambas cidades paulistas.

O número de contratações pouco mais elevado que nos anos anteriores reflete a expectativa de uma pequena melhora na economia em 2020, de acordo com Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“A perspectiva de recuperação da economia brasileira no próximo ano somada ao aumento da demanda dos consumidores deve impactar positivamente as decisões contratuais das empresas, e caso se concretize, pode levar uma parcela de empresários a absorver parte dos novos admitidos. Pode ser um novo fôlego para o varejo”, diz o economista da ACSP.

As contratações que historicamente, se iniciavam em meados de agosto, neste ano, ficou mais aquecida no início de outubro, em razão das vendas para o Dia das Crianças, e se estender até as compras de final de ano para o Natal, segundo a entidade.

O levantamento da Asserttem corrobora com essa previsão. Outubro e dezembro devem ser os meses com maior volume de vagas, em comparação a 2018, com crescimento de 19,8% e 21,8%, respectivamente.

Solimeo explica que a geração de vagas formais através do trabalho temporário, no formato da Lei Federal 6019/74 se tornou uma alternativa de contratação utilizada em diversos setores e para qualquer nível de ocupação, desde o microempreendedor até as multinacionais.

“A modalidade é uma solução para muitos. As empresas que colocaram o pé no freio nas contratações e que usaram esse período para arrumar a casa e enxugar os gastos podem aproveitar o aumento nas vendas para uma retomada”

No contrato temporário, geralmente por dois ou três meses, o trabalhador tem os mesmos direitos de um empregado fixo, só que por tempo determinado. Na modalidade de trabalho intermitente, o funcionário pode ser contratado por dia, e até por hora, dependendo da necessidade da loja.

Na sequência da região Sudeste, que tem a maior participação no número de contratações, o levantamento mostra que vem os estados do Paraná (36.899), Rio de Janeiro (34.688), Santa Catarina (26.870) e Amazonas (26.701).