25 de junho de 2019

Professores da rede pública vão parar contra reforma da Previdência na sexta

Paralisação tem como principal alvo o projeto de mudança nas aposentadorias apresentado pelo governo Bolsonaro


Por Folhapress Publicado 12/06/2019

A greve geral contra a reforma da Previdência, que acontece na próxima sexta-feira (14), deve parar, além do transporte coletivo, escolas públicas e particulares.

Convocada pelas centrais sindicais no dia 1º de maio, a paralisação tem como principal alvo o projeto de mudança nas aposentadorias apresentado pelo governo Bolsonaro.

Silvia Barbara, diretora do Sinpro-SP (sindicato de escolas particulares) afirma que a entidade definiu em assembleia, no início do mês, pela paralisação e comunicou os sindicatos patronais da decisão, dando segurança para os profissionais que quiserem aderir.

Agora, a entidade tem levado carros de som para as escolas e promovido panfletagens e palestras para convencer os professores a aderir à paralisação e as organizações a não oferecer aulas no dia.

Segundo ela, 30 colégios já confirmaram que não haverá aula, a maior parte deles de grande porte. O sindicato ainda não fornece a lista das escolas em que a paralisação foi decidida.

A cidade de São Paulo tem 1.500 escolas particulares, segundo Barbara. Ela afirma que a maior parte é de ensino infantil e com poucos alunos e que as escolas que aderiram a greve já representam universo importante de professores.

A Apeoesp, que representa os professores de escolas estaduais, e o Sinpeem, dos professores municipais, também afirmam que estão orientando pela paralisação, com o objetivo de que ela se concretize em todas as escolas.

Outras categorias confirmaram que irão parar na sexta, entre elas os metalúrgicos do ABC e trabalhadores da construção civil. Na noite de terça, o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região confirmou em assembleia sua adesão à greve.

Wagner Santana, presidente do sindicato da categoria, que representa 60 mil trabalhadores, diz que a orientação é que os profissionais fiquem em casa durante o dia.

Ele diz acreditar serem necessários ajustes no sistema previdenciário de tempos em tempos, mas, segundo ele, não é possível que se retirem direitos de quem já entrou no mercado com determinada expectativa.

Ele diz que, antes de mudar as regras de aposentadoria, o governo deveria cobrar empresas que estão com pagamentos em atraso para a Previdência e melhorar a gestão do sistema.

Também  reclama da falta de diálogo com o governo: “Não pode haver uma reforma previdenciária que não ouve os maiores interessados, que são os trabalhadores.”

O dia não trabalhado pode ser descontado dos trabalhadores, explica Santana.

As paralisações também devem afetar o transporte público em grandes cidades.

Em São Paulo, motoristas de ônibus e metroviários, por exemplo, definiram adesão. Devem ser afetados os trens da CPTM e as linhas 1, 2 e 3 do metrô, além da circulação de ônibus.

Na sexta, a seleção brasileira estreia na Copa América contra a Bolívia, às 21h30, no estádio do Morumbi, em São Paulo. A chegada ao estádio pode ser feita a partir da Linha 4 do Metrô, que deve seguir em funcionamento.

Antonio de Souza Ramalho, presidente do Sintracon (dos trabalhadores da construção), diz acreditar que 90% dos trabalhadores da categoria vão parar na sexta, inclusive pela dificuldade de acesso ao transporte.

Ramalho afirma não ser contra a reforma da Previdência em sua totalidade, mas diz que há pontos na proposta que precisam ser alterados.

Ele critica a exigência de 25 anos de contribuição mínimos para a aposentadoria e os 40 anos para aposentadoria com benefício integral.

“Na construção civil, é quase impossível alguém comprovar tanto tempo. É um trabalho de muita rotatividade.”

MEDIDAS JUDICIAIS
Em nota, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos disse tomar todas as medidas judiciais necessárias para garantir o transporte dos passageiros.

Informa que o Metrô conseguiu liminar para manter 100% do quadro de servidores nos horários de pico e 80% no restante. Já a CPTM conseguiu decisão pela manutenção completa de seu quadro durante todo o horário de operação.

A secretaria disse considerar o objetivo da paralisação ideológico e contar com o bom senso das categorias para que não prejudiquem mais de 7 milhões de trabalhadores que dependem diariamente do Metrô e da CPTM.

“No momento em que vivemos, esta greve contraria os objetivos do País, ao prejudicar a mobilidade de quem vive em São Paulo e precisa se locomover para trabalhar.”

A SPTrans, responsável pela circulação de ônibus na capital paulista, disse que  acompanha a divulgação da adesão pelo sindicato e fará todos os esforços para garantir o deslocamento da população.