16 de dezembro de 2019

Mulheres representam 60% dos intercambistas brasileiros

Segundo pesquisa da World Study BH, 58% dos intercambistas são mulheres; 52% delas com idades entre 20 e 25 anos


Por Estadão Conteúdo Publicado 07/06/2019

As recentes conquistas femininas no mercado de trabalho, na política e na liberdade de comportamento têm ganhado cada vez mais destaque. A vontade de conhecer o mundo também: segundo estudo realizado pela Associação Brasileira de Intercâmbio (Abipe), 60% das pessoas que optam por fazer intercâmbio são mulheres.

Dados da World Study BH, empresa de intercâmbio com 20 anos no mercado, comprovam a pesquisa. Na agência, 58% dos intercambistas são mulheres; 52% delas com idades entre 20 e 25 anos. “Viajar sozinha é uma das melhores formas de se empoderar. Acredito que a procura maior entre as mulheres pelo intercâmbio está ligada ao fato de serem naturalmente mais independentes”, afirma o diretor da World Study BH, Paulo Silva.

Decididas, corajosas, “mentes abertas”, desafiadoras, independentes, inteligentes. Esses são apenas alguns adjetivos que podem definir a mulher de hoje. Cada vez mais antenadas com o mundo moderno e com suas próprias opiniões, as mulheres se preocupam cada vez mais com a própria formação, educação e desenvolvimento pessoal. “Elas investem muito mais em sua própria educação e formação, por exemplo. Enquanto um homem pode pensar em comprar um carro, a mulher já pensa em investir o dinheiro em um intercâmbio, que lhe trará muito mais experiência educacional e de vida”, destaca Silva.

Segundo ele, as mulheres, geralmente, procuram programas com cursos de línguas ou que possibilitem estudar e trabalhar. Os países mais procurados são Canadá (33%), Estados Unidos (19%), Austrália (16%), Irlanda (13%), Reino Unido (8%) e Malta (5%), que permitem vivência do idioma e da cultura, conhecimento de novas pessoas e oportunidades de emprego.

Seja para as mulheres ou para os homens, o autoconhecimento é fundamental para embasar as decisões de vida e carreira. É por meio dele que é possível responder dúvidas: “será que é o momento de estudar fora”, “qual curso faz mais sentido pra mim”, “qual país ou universidade será melhor para minha trajetória?”.

O ideal é tirar um tempo para pesquisar bastante sobre o destino e se informar sobre clima, alimentação, custo de vida e costumes locais. Esses são fatores que podem influenciar na adaptação no início da viagem. “Tenha bem definido o idioma que deseja falar em seu dia a dia. Outra questão importante é pensar o quão longe você está disposto a ir e o que isso pode significar em termos de quantas vezes conseguirá visitar a família ou receber visitas durante o intercâmbio”, observa o diretor da World Study BH.

Quem pretende trabalhar durante o intercâmbio, seja para ampliar a experiência profissional ou para ajudar a bancar as despesas de hospedagem e alimentação, precisa se informar também se o país procurado permite o trabalho legalizado de visitantes estrangeiros.

Alguns destinos badalados, como Estados Unidos e Reino Unido, não concedem esse tipo de visto. Já outros autorizam o trabalho em situações específicas. “Se você tem interesse em trabalhar no exterior, mas não se sente seguro para encontrar por conta própria um destino onde possa ter um trabalho regularizado, vale a pena procurar a orientação e o suporte de uma boa agência de intercâmbio”, explica Silva.