17 de novembro de 2019

Criança de 4 anos morre após ser picada por escorpião

Apesar de ter sido levado pelos pais ao hospital, o menino não resistiu ao veneno, que afetou o pulmão e coração


Por Redação Educadora Publicado 01/07/2019
Reprodução – Arquivo Pessoal
Um menino  de 4 anos levou uma picada de escorpião enquanto dormia e morreu 48 horas depois. Apesar de ter sido levado pelos pais ao hospital, o menino não resistiu ao veneno, que afetou o pulmão e coração. Ele foi picado na quinta-feira (27), em casa, na QNF 20 de Taguatinga, e medicado no Hospital Regional da cidade (HRT), onde ficou internado até sábado (29), quando faleceu.No dia em que sofreu a picada do animal peçonhento, o menino acordou chorando, e foi socorrido logo após o pai matar o escorpião. Moradores da quadra se queixam de infestação de escorpiões. A Diretoria de Vigilância Ambiental informou que uma equipe foi acionada nesta segunda-feira (01) para vistoriar o local.

Saiba o que fazer

A picada de escorpião causa sintomas como vermelhidão, inchaço e dor no local. Alguns casos, no entanto, podem ser mais graves, provocando enjoos, vômitos, dor de cabeça, espasmos musculares e queda da pressão, havendo até risco de morte.

Os primeiros socorros são: lavar a área com água e sabão, manter o local da picada voltado para cima, não furar ou apertar e beber bastante água. Os profissionais de saúde recomendam que a pessoa procure o pronto-socorro mais próximo, principalmente em relação a mordidas dos tipos mais perigosos, como o amarelo, o marrom e o preto. A gravidade dos casos depende de quanto veneno foi injetado e como está a imunidade da pessoa.

As picadas de escorpião são responsáveis por mais mortes no Brasil do que as mordidas de cobra. Encontrados em áreas urbanas, os escorpiões se reproduzem com facilidade e costumam se abrigar escondidos sob pedras, entulhos, lenha, material de construção, encanamentos, dentro de calçados e roupas, no interior das casas e em seus arredores.

Para aliviar a dor e a inflamação no local da picada, recomenda-se a aplicação de compressas com água morna e o uso de analgésicos ou de anti-inflamatórios, como dipirona ou ibuprofeno, por exemplo, receitados pelo médico. Em pacientes com sintomas mais graves, é necessário o uso do soro antiescorpiônico. Nestes casos, também é feita a hidratação com soro fisiológico na veia e observação por algumas horas.

Prevenção

Na área externa do domicílio:

  • Manter limpos quintais e jardins, não acumular folhas secas e lixo domiciliar;
  • Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes apropriados e fechados e entregá-los para o serviço de coleta;
  • Eliminar baratas, aranhas, grilos e outros pequenos animais invertebrados, fonte de alimento;
  • Evitar entulhos de obras de construção civil e terraplanagens, superfícies sem revestimento, umidade, etc;
  • Preservar os inimigos naturais, aves, pequenos macacos, quatis, lagartos, sapos e gansos (as galinhas não são agentes controladores eficazes dos escorpiões, pois possuem hábitos diurnos enquanto os escorpiões, noturnos);
  • Evitar queimadas em terrenos baldios, para evitar o desalojamento;
  • Remover folhagens, arbustos e trepadeiras junto às paredes externas e muros;
  • Manter fossas sépticas bem vedadas, para evitar a passagem de baratas e escorpiões;
  • Rebocar todas as paredes e muros, eliminando vãos ou frestas.

Na área interna do domicílio:

  • Vedar soleiras de portas com rolos de areia ou rodos de borracha;
  • Reparar rodapés soltos e colocar telas nas janelas;
  • Telar as aberturas dos ralos, pias ou tanques;
  • Telar aberturas de ventilação de porões e manter assoalhos calafetados;
  • Manter berços e camas afastados, no mínimo 10 cm, das paredes e evitar que mosquiteiros e roupa de cama permaneçam em contato com o chão;
  • Manter todos os pontos de energia e telefone devidamente vedados;
  • Em local muito arborizado, fechar portas e janelas da residência ao entardecer;
  • Manter fechado armários e gavetas;
  • Examinar roupas e calçados antes de usá-los, principalmente quando tenham ficado expostos ou espalhados pelo chão.