17 de junho de 2019

Burger King ironiza censura a propaganda do BB e vira alvo de boicote por apoiadores de Bolsonaro

O Burger King ironizou o recente veto à publicidade do Banco do Brasil


Por Redação Educadora Publicado 05/05/2019

Conhecido por propagandas que promovem a diversidade, o Burger King ironizou o recente veto à publicidade do Banco do Brasil em post nas redes sociais. Em texto publicado na sexta-feira, a rede de fast food informou que está recrutando pessoas que tenham “participado de um comercial de banco que tenha sido vetado e censurado nas últimas semanas”. Após a publicação, a rede de restaurantes virou alvo de campanha de boicote no Twitter por apoiadores do governo.

No fim de abril, o Palácio do Planalto determinou que o Banco do Brasil retirasse de circulação uma campanha publicitária do BB , cujo mote era a diversidade, por ter desagradado o presidente Jair Bolsonaro. O caso foi revelado pelo colunista do GLOBO Lauro Jardim.

Críticas ao ‘post’ do Burger King

Na tarde deste sábado, a hashtag #BoicoteBurgerKing figura entre os assuntos mais comentados no Brasil e no mundo no Twitter. As críticas de apoiadores a Bolsonaro aumentaram quando o presidente reagiu pessoalmente à iniciativa da rede de fast food.

“Qualquer empresa privada tem liberdade para promover valores e ideologias que bem entendem. O público decide o que faz. O que não pode ser permitido é o uso do dinheiro dos trabalhadores para isso. Não é censura, é respeito com a população brasileira”, afirmou Bolsonaro em post no Facebook.

O Burger King é conhecido por campanhas a favor da diversidade e contra a discriminação. Além disso, veiculou um comercial sobre conscientização política e importância do voto durante o período eleitoral de 2018.

Na internet, as opiniões sobre a iniciativa do Burger King se dividem. Muitos elogiaram a empresa, mas os críticos interpretaram o posicionamento como um ataque a Bolsonaro. Ao vetar a propaganda do Banco do Brasil em que apareciam negros, uma transexual e pessoas com tatuagens e cabelos coloridos, o presidente alegou que a população brasileira “quer respeito à família”.

Aqueles que estão propondo o boicote ao Burger King argumentam que a marca é “esquerdista”, quer “lacrar” e despreza 57 milhões de potenciais consumidores — em alusão ao número de eleitores que votaram em Jair Bolsonaro no segundo turno.