06 de dezembro de 2019

Brasil é ultrapassado por Paquistão em lista de mais populosos

A partir de 2046, prevê-se uma redução no número de pessoas no Brasil, chegando a 180,7 milhões em 2100


Por Folhapress Publicado 18/06/2019

Quinto país mais populoso do mundo desde o fim da Segunda Guerra, o Brasil foi ultrapassado pelo Paquistão em 2017. O país agora ocupa a sexta posição no ranking, com 211 milhões de habitantes, mostra um relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) lançado nesta segunda-feira (17).

Até 2100, o país deve ser ultrapassado por Nigéria, Etiópia, República Democrática do Congo, Tanzânia, Egito e Angola, ficando em 12º lugar.

O relatório, chamado World Population Prospects (prospecções da população mundial), é elaborado pela divisão de população da ONU e se baseia em censos nacionais, pesquisas por amostragem e tendências históricas e traz análises sobre 235 países e áreas.

De acordo com o documento, o Brasil está crescendo a um ritmo mais lento do que a média global, e a população do país deve chegar ao seu máximo em 2045, com 229,6 milhões de pessoas –a previsão para a população mundial é que ela pare de crescer apenas no fim do século.

A partir de 2046, prevê-se uma redução no número de pessoas no Brasil, chegando a 180,7 milhões em 2100. Segundo a projeção, o país deve perder cerca de 50 milhões de habitantes nesse período.
O número de idosos, porém, deve continuar crescendo, atingindo seu pico apenas em 2075, de acordo com as previsões.

Os dados também mostram que a tendência ao envelhecimento da população mundial, comprovada pelo relatório da ONU, é ainda mais intensa no Brasil.

Em 2050, por exemplo, prevê-se que 29,4% da população no país tenha 60 anos ou mais –oito pontos percentuais acima da média para o planeta. No fim do século, pode chegar a 40,1% do total.

A faixa que cresce mais rapidamente é a dos que têm 80 anos ou mais. Se em 1950 eles eram apenas 0,3% dos brasileiros, atualmente são 2% e, em 2050, devem chegar a 6,7% da população.

No mundo, eles eram 0,6% em 1950, são 1,9% atualmente e chegarão a 4,4% em 30 anos. Ou seja, a distância da proporção desse grupo etário no Brasil em relação à média global vem aumentando e deve continuar nesse caminho.

Outra constatação do estudo é que o Brasil perdeu para o Chile o posto de país com menor taxa de fecundidade (média de filhos nascidos vivos por mulher).

Enquanto no período entre 2010 e 2015 esse índice era de 1,77 no Brasil e 1,85 no Chile, no período entre 2015 e 2020 o Chile baixou para 1,65 enquanto o Brasil tem 1,74.

“Ainda não há um estudo sobre as causas, mas o número baixou bastante no Chile”, afirma Helena Castanheira, oficial de assuntos de população do Centro Latinoamericano de Demografia (Celad), da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal).

A ONU projeta uma queda da fecundidade no Brasil até 2040 e, depois, um aumento progressivo.
“Nós nos baseamos na experiência dos países desenvolvidos, que mostra que a taxa de fecundidade vai descendo e depois se recupera. Os números dessa recuperação dependem da trajetória de cada país”, diz.