09 de dezembro de 2019

Estudo mostra que clubes do Brasil podem aumentar receitas com seus torcedores

Entre os clubes que apresentam maior torcida, o Palmeiras é o que conseguiu o melhor índice, com mais de R$ 20 por torcedor


Por Estadão Conteúdo Publicado 26/09/2019
Cesar Greco/Agência Palmeiras

Os clubes brasileiros têm “enorme potencial” para alavancar as receitas com seus torcedores. É o que aponta o estudo da Sports Value, que criou um índice de gasto médio por cada fanático com seu respectivo time em 2018. A Chapecoense é quem teve a média maior, com mais de R$ 29 por torcedor. Entre os clubes que apresentam maior torcida, o Palmeiras é o que conseguiu o melhor índice, com mais de R$ 20.

O estudo analisou as receitas diretamente ligadas ao torcedor: bilheteria, plano de sócios e licenciamento de produtos. São chamadas de receitas “business to consumer” (B2C) e representam 21% do total gerado pelos clubes. Para Amir Somoggi, sócio diretor da Sports Value, os times precisam “trabalhar com o torcedor e gerir melhor sua marca”.

“O estudo mostra um destaque para Chapecoense, Athletico-PR e Coritiba, times que estão conseguindo receitas com torcedores. Também mostra que o Flamengo poderia faturar R$ 500 milhões com torcedores. Se esses clubes maiores trabalhassem melhor suas marcas, obviamente o faturamento iria crescer muito”, afirmou Somoggi.

“O Palmeiras está no meio do caminho porque tem o Allianz Parque e vem conseguindo receitas com bilheterias e sócios. Esse fator faz com que o faturamento seja maior com os torcedores”, acrescentou.

Outro número que “assustou” Somoggi foi que as receitas dos clubes brasileiros com torcedores representam apenas 1,6% do consumo de entretenimento no País. Os gastos dos brasileiros com entretenimento em 2018 foram de R$ 67,7 bilhões, sendo R$ 1,1 bilhão de torcedores com seus clubes. “É um número que assusta, mas é consequência. O Brasil era o país do futebol, mas a má gestão da CBF e dos clubes fizeram o torcedor se afastar muito”, apontou.

Mais um motivo que explica essa pequena porcentagem é a elevação do interesse por clubes europeus. De acordo com dados do Ibope Repucom de 2017, 72% dos jovens brasileiros torcem para um time europeu. Essa estatística vem subindo ano a ano – em 2015, por exemplo, eram 69%; em 2013, 64%.

“É o que chamamos de ‘geração Play Station’ (por causa do vídeo game). A garotada cresceu jogando e naturalmente acaba tendo predileção pelos times europeus, que são muito potentes do ponto de vista de jogabilidade. Também teve a massificação de jogos de times europeus na televisão brasileira, e a qualidade do espetáculo de lá é muito superior”, disse.

Ainda segundo o estudo, os clubes brasileiro movimentaram R$ 5,7 bilhões em receitas em 2018. Deste valor, 72% foram provenientes do “business to business” (B2B), que são direitos de televisão, transferências de jogadores e patrocínios. Há ainda 7% de outras receitas, além dos 21% gerados com torcedores. “Aqui no Brasil ainda estamos centrados nas receitas B2B. Temos que colocar o torcedor mais no centro, pensando nos interesses dele, tanto esportivo quanto econômico. É um trabalho interno, que o clube precisa gerir melhor sua marca, e externo, desenvolvendo melhor esse lado do torcedor”, analisou Somoggi.