05 de August de 2020

Adilson pede ajuda total da torcida do Cruzeiro na luta para evitar rebaixamento

Treinador Adilson Batista disse que ainda acredita em um "milagre" e fez um pedido especial aos torcedores para este domingo (8)


Por Estadão Conteúdo Publicado 06/12/2019
Washington Alves/Cruzeiro/Lightpress

O Cruzeiro se complicou ainda mais na tentativa de evitar o seu primeiro rebaixamento na história do Campeonato Brasileiro ao perder por 2 a 0 para o Grêmio, na quinta-feira (5), na Arena Grêmio, em Porto Alegre. Com isso, pode cair até mesmo se vencer o Palmeiras, no domingo (8), no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, na 38ª e última rodada.

Em 17º lugar com 36 pontos e apenas sete vitórias, o Cruzeiro cairá se o Ceará, que tem 38 e 10 triunfos, ao menos empatar contra o Botafogo, no Rio de Janeiro. Para se salvar, o time mineiro terá de bater o Palmeiras e torcer para os cariocas derrotarem a equipe cearense, que nesse caso seria rebaixada. Neste domingo, o clube de Belo Horizonte não terá o lateral-direito Edilson, o lateral-esquerdo Egídio e o volante Ariel Cabral, suspensos.

O treinador Adilson Batista disse que ainda acredita em um “milagre” e fez um pedido especial aos torcedores para este domingo, na partida que vai definir o futuro da equipe na Série A.

“Gostaria que fosse o cruzeirense mesmo que ama o clube. Esses oito milhões de torcedores que são apaixonados, que fossem ao Mineirão e procurassem dentro da razão transmitir toda energia, toda vibração, todo carinho que tem pelo clube. E ajudasse neste momento. Sei que está um pouquinho chateado, um pouquinho preocupado com muitas coisas que aconteceram ao longo da temporada”, disse o comandante, que assumiu o posto no lugar de Abel Braga.

“Ainda confio, ainda acredito na permanência na Série A. Não pela grandeza, o Cruzeiro tem uma história bonita, maravilhosa, repleta de títulos, história com jogadores como Tostão, Dirceu Lopes, Nelinho, Joãozinho, Raul… Precisamos ter discernimento, calma e vencer o Palmeiras. (…) É respirar fundo e acreditar”, completou Adilson Batista.