Morte de vereadora do Rio tem repercussão mundial

Marielle, 38 anos, estava dentro de um carro no bairro de Estácio, centro do Rio de Janeiro


POLÍCIA
Por equipe
Quinta, 15 de março de 2018 às 12:07
O assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (Psol), famosa por ser ativista do movimento negro e crítica da violência policial do Rio de Janeiro, na noite desta quarta-feira (14) teve repercussão nos principais jornais do mundo.

O caso, mais um registrado na onda de violência no Rio, foi divulgado em publicações norte-americanas como o The New York Times , The Washington Post e a rede ABC News. Além disso, a televisão estatal com sede na Venezuela, Televisión del Sur, e o jornal britânico The Guardian noticiaram a morte da política.

A matéria original foi produzida pela agência de notícias Associated Press e distribuída aos veículos dos EUA. "Um membro do conselho da cidade e seu motorista foram mortos a tiros por dois assaltantes não identificados em uma rua no centro, no Rio de Janeiro, a segunda maior cidade do Brasil, onde militares foram convocados há um mês após uma onda de violência", diz o texto.

O site da TV venezuelana noticiou que "a proeminente ativista brasileira de direitos humanos e a vereadora de esquerda Marielle Franco foi assassinada no Rio de Janeiro". Segundo a reportagem, ela "faz parte de uma geração de jovens brasileiros negros que estão se tornando cada vez mais vocais dentro e fora de casas de estado. Franco foi eleito para a Câmara em 2016".

Já o The Guardian ressalta que Marielle era ativista e especialista na análise de violência da PM. Além disso, o jornal reforça que a vereadora chegou a acusar os policiais de serem agressivos ao abordar os moradores das favelas do Rio. "Marielle Franco, vereadora e crítica da polícia, é executada a tiros no Rio", diz o título da matéria. O News Deeply , de Nova York, também destacou o assassinato de Marielle com o título: "Das favelas a vereadora, lutando pelos direitos das mulheres no Rio".

O jornal peruano El Comercio , por sua vez, relatou o crime e ressaltou que a vereadora era crítica da intervenção federal na Segurança Pública do estado.

Marielle, 38 anos, estava dentro de um carro no bairro de Estácio, centro da capital fluminense, quando criminosos emparelharam o veículo e abriram fogo. O motorista do automóvel onde estava a carioca, Anderson Pedro Gomes, também morreu. O caso está sendo investigado pelas autoridades locais.

Educadora

Comando Sertanejo Educadora