Micro e pequenas empresas têm que superar obstáculos para crescer


ECONOMIA
Por Jornalismo Educadora
Quinta, 11 de outubro de 2018 às 16:05
Caminhando para o fim do ano, novas perspectivas de mercado são lançadas, principalmente quando se fala Micro e Pequenas Empresas (MPEs), um dos setores mais importantes para a economia do país (com participação de 30% do PIB). O Brasil é um país de MPEs, elas são mais de 98% do mercado e responsáveis por mais da metade dos empregos formais, sendo que só de janeiro a julho deste ano geraram 90% das novas vagas, segundo o Sebrae

Mas, para se manterem na ativa precisam desviar dos obstáculos impostos a essa categoria. A mortalidade de empreendimentos é de em média 2 anos, sendo esse um número preocupante. As principais causas dessas mortes são o não planejamento e, principalmente, a falta de crédito. Enquanto falta crédito e apoio, sobra impostos e burocracia para as micro e pequenas empresas. Para se ter uma ideia 85% dos pequenos não conseguem crédito e 88% contam apenas com recursos próprios, esses na maioria limitados.

A alavancagem até certo ponto é saudável para que qualquer tipo de negócio cresça, mas segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes (CNDL), 84% dos MPEs afirmam não ter a intenção de tomar crédito, justamente por ser demasiadamente complexo e possuir taxas de juros elevadas. A solução para os empreendedores que querem realmente prosperar é encontrar fontes alternativas. Principalmente nas fintechs, que são startups que unem finanças com tecnologia, que prometem um serviço rápido, com acesso a todos e com custo justo para ambas das partes, sanando assim o principal problema dos microempresários.

Como foi o caso de Fernando Sanches, dono de uma caldeiraria, em uma rápida busca pela internet achou a Size Soluções Financeiras. A fintech com mais de 6 anos no mercado é especialista em antecipação de recebíveis para MPEs negativadas, ou não. Essa forma de acesso ao crédito é uma das mais ágeis e se resume em transformar vendas futuras (duplicatas ou recebíveis de cartão de crédito) em dinheiro em caixa, e tudo isso em até 2 horas, se tornando cliente no mesmo dia. Desse modo, Sanches pode arcar com as suas obrigações financeiras, melhorar seu fluxo de caixa e assim consegue focar em seu negócio.

Outro caso é o da Juliana Pinheiro, ela é dona de uma pequena empresa de eventos, que presta serviços para casamentos e festas de aniversários e está negativada e assim conseguir crédito é ainda mais difícil. Contando com a mesma fintech que Sanches conseguiu receber em duas horas o que receberia em 60 dias de um cliente, assim ela fez o seu caixa girar e conseguiu cumprir com os seus compromissos financeiros e com seus clientes.

Segundo o Sebrae, em 2019, 1,5 milhão de novas micro e pequenas empresas devem surgir e gerarão mais de 550 mil empregos. A tendência é o decrescimento da mortalidade desses jovens negócios, justamente por opções que fogem do convencional, atendendo desde gestão empresarial até o crédito. Os tempos de estar a margem do sistema financeiro estão com os dias contados e isso é uma boa notícia.

Por Estadão Conteúdo